WEBLAST 2010

WEBLAST 2010
Junta-te a nós na partilha da música/Join us in sharing music: wetune2008@gmail.com

"It's not me; it's the songs. I'm just the postman, I deliver the songs." (Bob Dylan)

É maravilhoso quando descobrimos um som, que não se sabendo bem porque misteriosas ligações se conecta connosco, nos emociona, nos tranquiliza, nos faz rir ou dançar, que passa a fazer parte da nossa memória e da banda sonora do nosso quotidiano...melhor ainda quando nos é dado de presente como se fizéssemos anos e os amigos nos celebrassem a existência...Por vezes sentimo-nos na vanguarda de um som nunca antes escutado outras a viver no fim do mundo onde as músicas e os seus autores parece que demoram 20 anos a alcançarem os nossos ouvidos mas ambos, quase sempre, os recebemos em jeito de partilha, num "toma lá dá cá" de experiências, referências, de conhecimentos e amizade.Que este BLOG seja a nossa caixinha de música, de sons e imagens que descobrimos num entusiástico "UAU" ou que recordamos e que queremos partilhar...a composição conjunta de uma partitura de câmbios musicais...sem comentários...apenas a música e as suas imagens...Um projecto simples e colectivo que seria bom que conseguisse transformar alguns dos nossos dias, em dias muito mais ricos e felizes...Para já um grande bem haja aos seus autores…QUE SOMOS TODOS NÓS

Wednesday, June 24, 2015

Thursday, June 4, 2015

Wednesday, May 6, 2015

John Butler - Tin Shed Tales

Full show by John Butler on 12 April 2012 at Civic Theatre, Newcastle

Wednesday, January 14, 2015

The Magic Numbers

A fortnight out of season, but always nice to hear..

"I don't care if it's Christmas"

Thursday, November 13, 2014

Tuesday, August 26, 2014

Kate Tempest spoken word

Gotta love this girl!

Her performance at Intelligent Movement, a celebration of Hip-Hop

Thursday, August 14, 2014

Dj Moullinex





amanhã, 15 Agosto 2014 nos Bons Sons

https://www.facebook.com/Moullinex/app_327043884012412



http://www.discogs.com/artist/1094553-Moulinex


Tuesday, August 12, 2014

Paulo Flores

Hoje na rádio África... Adorei!

"Ainda o país que nasceu meu pai"


Mais na página de Paulo Flores.

Friday, June 27, 2014

margherita

Margherita by Okwess international in live with Claude Montana, Yende and Kubain

Sunday, June 15, 2014

Simplesmente Lewis :D



Não conhecia e estou a ouvir o album...aqui vai a introdução Flur Discos"Lewis é um daqueles fenómenos que só poderiam ter acontecido nos dias que correm. A sua identidade não é clara, há várias histórias sobre o seu passado, algumas fazem algum sentido, outros servem o propósito do mistério deste álbum: supostamente Lewis (é um pseudónimo) desapareceu depois da sessão de fotografia (que não pagou) para este álbum. Uma cópia de “L’Amour” foi descoberta numa feira e depressa se tornou num mistério e num fenómeno da blogosfera, tornando-se apetecível, claro, para os coleccionadores de prensagens privadas. Mas histórias não fazem música. O mistério e o ar cheesy da capa podem dar um véu especial a tudo, aliás, contribuem para disfarçar a costela quase primária dos instrumentais, também eles cheesy, completamente 1980s, seguros de si e um óptimo cenário para a voz de Lewis. Pode-se ligar facilmente este “L’Amour” a algum Arthur Russell (aos cenários de “World Of Echo”, ao nível da voz de “Another Thought”), ou a um Antony sem o luxo da produção, entregue a uma escassez de meios. Só que o que é belíssimo em Lewis é que tudo parece um artifício a servir um propósito, uma espécie de felizes coincidências que acabaram por resultar bem ou, melhor, que hoje soam muito bem, sobreviveram, resistiram e fortificaram-se no teste do tempo. Há algo de eterno em “L’Amour” de tão básico e simples, honesto. Mesmo que o homem por detrás de tudo tenha sido um vigarista ou um extraterrestre (há teorias à volta disso). O que importa é que uma das prensagens privadas mais queridas descobertas nos últimos anos tem finalmente direito a uma edição para chegar a todos, pela primeira vez em CD e reeditado em vinil (que receberemos em breve). E não importa onde estão, à falta de melhor termo, “musicalmente”, vocês merecem ouvir Lewis."

In 1983, a man named Lewis recorded an album named L’Amour, which was released on the unknown label R.A.W. And that’s about all we know.

The record itself is a delicate, whispered album, reflecting the way the artist himself – spectral, movie star-like – almost disappears into the grey of the cover. It should come as no surprise that it failed to shout loudly enough to be noticed, another private press album that sank without trace.

The ingredients are simple: smooth synthesizers, feather-light piano, ethereal, occasionally inaudible vocals and the gentle plucking of acoustic guitars. But the effects are arresting: a spine-tingling, sombre album that echoes Springsteen’s Nebraska or Angelo Badalamenti’s atmospheric soundtracks. Later, Arthur Russell would grasp for something similar on the epochal World Of Echo LP.

L’Amour is a true discovery of the blog age, uncovered in an Edmonton flea-market by collector Jon Murphy, passed on to private press fanatic Aaron Levin, shared on the internet and speculated over by lovers of curious LPs. There’s almost no information about Lewis or the album on the internet. There’s precious little on the sleeve: a dedication to Sports Illustrated supermodel Christie Brinkley, a photo credit for Ed Colver, the noted L.A. punk rock photographer, and credits for engineer Bob Kinsey and synth player Philip Lees. All that was known of Lewis is conjecture: a rumor that he was a con artist who fled after not paying for L’Amour’s photo-shoot and a dubious theory that he was not actually of this earth.

When Light In The Attic looked to release the album, they set out to investigate the mystery. They found some answers, but more intrigue too. Colver was able to fill in some blanks. Firstly, Lewis is a pseudonym. The man the photographer met was named Randall Wulff. He stayed in the Beverley Hills Hotel, drove a white convertible Mercedes and dated a girl who looked like a model. He paid for his photo session with Colver with a $250 check, which bounced.

Eventually, the trail led to Alberta, Canada, where that first LP had been found. Liner notes writer Jack Fleischer along with master detective Markus Armstrong found Randall’s nephew, who remembered Randall as a stockbroker. His vague recollections include a visit to Randall’s apartment, with all-white furniture and that beautiful girlfriend in situ. Crucially, he offered another name – another of Randall’s pseudonyms – which led to a Vancouver studio and the revelation that Lewis had recorded three or four albums of “soft religious music” there. Alas, even the new nom de plume led only to dead ends.

Lewis remains a ghost, a total mystery, but the music will be heard. The album is being pressed for the first time in more than 30 years, and widely distributed for the first time ever. Lewis’s royalties will be placed in escrow until he makes himself known. Perhaps you know Lewis. Perhaps Lewis is you. The only certainty is this: Lewis is about to find a whole bunch of new fans. in http://lightintheattic.net/releases/1140-l-amour

Jon Hopkins

É isto..
Huguinhoooooooo vamos organizar um dancing
Quero muito!


Wednesday, April 30, 2014

Capicua

Casa no campo


— Diz-me qual é o teu perfume favorito.
— Pão quente, terra molhada, e manjerico.

Saturday, April 26, 2014

Os Velhos

Ontem no LUX no meio de outros grandes sons.

À minha alma

Friday, April 11, 2014